Blogay

A contribuição dos gays, lésbicas e travestis para o mundo

 

Mudança de endereço

Olá,

O endereço deste blog mudou para http://blogay.blogfolha.uol.com.br/

Atualize sua lista de favoritos.

Conheça os outros blogs da Folha.com em www.folha.com.br/blogs

Escrito por Vitor Angelo às 23h47

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Um banheiro para Laerte/Sonia

Banheiro em casa é para todos. Vai a amiga, vai o primo, vai o cara que tá consertando a pia e ficou apertado. Enfim, no banheiro de nossas casas ambos os sexos o frequentam e porque existe algo chamado civilidade, em geral, o banheiro continua intacto.

Mas o assunto é o banheiro público e a divisão binária que hoje temos entre homem e mulher. Mais ainda, a questão é o projeto de lei do vereador da cidade de São Paulo Carlos Apolinário (DEM): criar um terceiro banheiro público unissex destinado a gays, lésbicas, bissexuais, transexuais, travestis e até heterossexuais.

A ideia surgiu depois que o vereador, autor também do controverso projeto – vetado – do Dia do Orgulho Hétero, soube que o/a cartunista Laerte Coutinho/Sonia Cateruni foi advertido pelo gerente de um restaurante por ter usado o banheiro feminino. Há dois anos, Laerte/Sônia vive com trajes de mulher e, mais do que isso, assumiu através das roupas a alma considerada e construída como feminina.

Um dos grandes sustos e abusos do/a cartunista é que seu simples existir mostra com evidência como masculino e feminino não passam de meras construções.

Laerte/Sônia não gostou nada da lei: “Carlos Apolinário propõe banheiro “unisex” - na verdade, um terceiro banheiro, para banir os diferentes (dele) das vistas dos homofóbicos. É a institucionalização do gueto. Não surpreende, vindo do sujeito que quis criar o Dia do Orgulho Hetero…”, escreveu em seu Facebook.

Na Folha, ele/ela foi mais enfático e chamou o projeto de “consagração do gueto”. "É uma solução que não é uma solução, porque discrimina de uma vez por todas. Como se os outros fossem normais e uma outra parte não".

Para esconder debaixo de todos os vestidos a verdade da feminilidade como construção, começou-se uma série de argumentos rasteiros partindo do próprio vereador. "Se qualquer cidadão do sexo masculino disser que está se sentindo mulher naquele dia, pode entrar no banheiro feminino. Às vezes, pode ser até um cidadão sem vergonha, mau caráter, que nem tem essa opção sexual", disse Apolinário à Folha.

Confunde-se assim sexo biológico (macho/intersexo/fêmea) com a forma que você demonstra seu gênero, a chamada expressão de gênero (masculino/andrógeno/feminino). Além disso, coloca-se no fácil e falso moralismo a questão da perversão, do sujeito que se aproveitará da situação para abuso.

Como expressão de gênero, Laerte/Sônia sentiu que naquele momento ele/ela deveria ir ao banheiro feminino e como tal se comportará como uma pessoa do sexo feminino (tenho certeza que urinará até sentada e com a porta fechada). Igual ao banheiro das nossas casas, é uma questão de civilidade.

                                                                                              Laerte

Escrito por Vitor Angelo às 19h20

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ver mensagens anteriores

PERFIL

Blogay Blogay é editado pelo jornalista e roteirista Vitor Angelo. Foi colunista da seção GLS da Revista da Folha.


RSS

BUSCA NO BLOG


ARQUIVO


Ver mensagens anteriores
 

Copyright Folha.com. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha.com.